Colhida ao acaso 

Entre a erva seca da planície,

A papoila está

Ansiosa da ternura dos amados.

Subsiste se lhe dão água urgente

E cristalina…

Por algum tempo, só.

Não resiste ao desamor 

das mãos que a colhem.

Mas, mesmo breve,

Eterniza-se nas carícias

Das mãos que a cuidam.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.